Quintura do sertão

A quintura que aquece o meu juízo
Ta tão quente que o sol se escondeu
As pombinhas que voaram pra o céu
Até hoje ainda tão no prejuizo
Pra escapar nesse forno é preciso
Ter no bucho um cacto bem potente
E que tenha tanta água que aguente
Suportar tamanha agonia
Uma pomba que voar durante o dia
Vai virar um urubu bem de repente

Soneto da Liberdade

Quem me dera encontrar no firmamento
As respostas que vivo a procurar
E quisesse o tempo me esninar
Tudo o que preciso no momento  

Encontrar nas estrelas o alento
Com o brilho da  lua me acalmar
Se ao sol eu pudesse perguntar
O que há de me dar contentamento  

Ah se os sonhos que traz inspiração
Não virassem somente ilusão
Mas pudessem virar realidade  

Ao invés do tormento alegria
Construir  outro mundo a cada dia
Pra viver todo dia em liberdade

Novo governo, velhas práticas!


No seu primeiro ato após a posse o “novo” prefeito do Recife, Geraldo Júlio, apresentou o seu primeiro projeto, o hospital da mulher. Aliás, pra quem coordenou quase tudo nessa vida, ele demorou muito para tomar a iniciativa, aja visto que o projeto estava pronto no Campo das Princesas e foi dado de presente pelo governador ao ex-auxiliar e todo poderoso Geraldo.

O que é estranho na encenação é o fato de o agora prefeito Geraldo, que coordenou desde a criação do universo até o bem estar das pessoas de Pernambuco, nunca ter observado a carência dos recursos para atender as mulheres do nosso estado. Carência que poderia ter sido amenizada se tivesse investido no CISAM – UPE, um hospital escola referência no atendimento a mulher, bem como no HUOC – UPE, mais um hospital da Universidade de Pernambuco, onde as metas do desgoverno de Eduardo Campos monitoradas por Geraldo Júlio era de cortar o que chamam de gastos, ou seja, precarizar os serviços.

Mas nada é feito ao acaso, para esses governos de metas, onde a qualidade de vida do povo é verificada em números sem ter contato com a realidade, é comum sucatear o público para entregar ao privado. Tem sido assim na saúde, onde o IMIP e semelhantes tomam conta dos novos empreendimentos do Governo de Pernambuco. Por essa ótica é fácil saber por que os hospitais públicos vivem em crise e contenção de gastos, basta ver as prioridades desses governos.

Geraldo ao lançar sua primeira obra, na verdade está apenas cumprindo o seu primeiro acordo como prefeito, afinal, teve sua candidatura ameaçada, apesar da parcialidade da justiça eleitoral, por fazer campanha dentro das dependências do IMIP, e pelo visto saberá retribuir o gesto dos seus aliados. O PSB só não cumpre acordo com o povo, mas com empresários e financiadores não falta nunca.

Pelo visto o que pintaram como sendo novo já veio cheio de vícios e retóricas prontas, e pode ser uma nova face dos velhos coronéis. 

Flor e espinho

Poesia de Danillo Barbosa

Se nós fomos felizes algum dia
Desse dia eu nem me lembro mais
Emoções entre nós não são iguais
E não há o sentimento que havia
Se um dia já foi tudo alegria
Já não ha entre nós cumplicidade
E o amor não é mais uma verdade
Se era flor hoje só sobrou espinho
Se não queres a mim me dar carinho
Vou gozar minha vida em liberdade



Inspirado na poesia de Pedro Torres Filho